Teleférico (bondinho) Camboriú-Laranjeiras - Parque Unipraias - SC

Estávamos lá em Balneário Camboriú e fomos experimentar o famoso passeio de teleférico: um bondinho que, pendurado num cabo de aço, sobe e desce o morro e vai sair lá do outro lado, na Praia de Laranjeiras.

No meio do caminho, lá no topo do morro, dá pra descer do bondinho e curtir as atrações: apreciar a vista de toda a orla, caminhar pelas trilhas, praticar arvorismo (andar em cima das árvores) e andar num carrinho (trenó) que desce um trecho do morro numa pista, parecido com uma montanha-russa.

É um passeio completo, que pode ocupar o dia todo se for bem aproveitado. E foi isso o que fizemos. Era um domingo de sol, nenhuma nuvem no céu, um dia perfeito para curtir a natureza.

Foto: http://www.youhooo.com.br/sobre-o-youhooo.phpFoto: http://www.youhooo.com.br/sobre-o-youhooo.php

Como chegar

Primeiro precisávamos chegar até a estação do teleférico, que fica lá no final (ou seria o início?) da Praia Central de Camboriú, bem na ponta, chamada Barra Sul.

Fomos de carro, mas também é fácil chegar lá pegando o Bondindinho, ônibus para turistas que circula pela praia. Ele passa pela Avenida Atlântica e pela Avenida Brasil, basta acenar que ele para, e seu ponto final é justo na estação do teleférico, não tem erro. A passagem custa R$3 por pessoa. Saiba mais sobre o Bondidinho.

Embarque: Estação Barra Sul

Lá chegando, vimos de perto os bondinhos "voadores", entrando e saindo da estação, e a ansiedade aumentou. É legal acompanhar com os olhos, lentamente, o longo trajeto dos bondinhos até lá em cima do morro.

O morro é alto, então quem tem medo de altura terá que se preparar psicologicamente para fazer o passeio. Vou dar a dica: encare o medo que o passeio vale a pena!

Já de cara, percebemos como é tudo muito moderno e bem cuidado, passa aquela impressão de coisa de primeiro mundo. O teleférico quase nem faz barulho, não tem coisas rangendo, não há sinais de improvisos. Basta ver os equipamentos que você se convence que é seguro, que não há com o que se preocupar.

Sabe aqueles teleféricos toscos de "cadeirinha"? Então, não tem NADA A VER.

Logo na entrada da estação tem a bilheteria. Pagamos R$30 por pessoa. Minha mãe pagou R$15 por ter mais de 60 anos. Esse preço já inclui a ida e a volta, só cuide para não perder o bilhete (ticket)!

Instruções na parte de trás do bilheteInstruções na parte de trás do bilhete

Com o bilhete na mão, subimos a escada e demos de cara com a área de embarque. É impressionante. Uma espécie de roldana gigante, que gira continuamente, movimentando o cabo de aço que sustenta e movimenta todos os 47 bondinhos.

Foto: Marcelo Miziara https://picasaweb.google.com/lh/photo/9nxjlbno6t06QTKbty33Fw"Foto: Marcelo Miziara https://picasaweb.google.com/lh/photo/9nxjlbno6t06QTKbty33Fw"

Dentro desta área de embarque, os bondinhos diminuem a velocidade, para permitir que as pessoas entrem e saiam. Ele não chega a parar, mas vai devagar o suficiente para você poder entrar tranquilamente.

Cabem 6 pessoas (magras) em cada bonde, sendo dois bancos que ficam de costas um para o outro. Então metade das pessoas vai olhando para frente, e metade vai olhando para trás. Pela minha experiência, ir de costas para o morro é melhor para ver a paisagem e ir de frente para o morro é melhor para curtir a emoção de estar "voando".

Uma vez dentro do bondinho, não há como mudar de lugar, então escolha antes!

Havia umas 15 pessoas em nossa frente na fila, mas ela andou rápido, uns 3 minutos. O funcionário que cuidava do embarque era bem camarada e não forçava que cada bonde saísse cheio, misturando famílias diferentes. Estávamos em quatro pessoas, e fomos sozinhos em um bonde. Outra família que era somente um casal e um bebê também foi sozinha. Melhor assim.

Em quatro pessoas, o espaço interno é bem agradável. Ninguém foi apertado, e ainda sobrou espaço nos bancos para bolsas, blusas e outras tralhas.

Depois que você entra no bondinho, a porta fecha automaticamente e ele inicia o seu percurso.

Subindo o morro

Foto: http://www.unipraias.com.br/estacao-barra-sul.phpFoto: http://www.unipraias.com.br/estacao-barra-sul.php

Já na saída da estação você passa sobre o rio. É bom para olhar de cima as pessoas, as casas e os barcos, numa altura ainda baixa. É um aquecimento para a grande subida que está por vir.

Passar sobre a água dá uma sensação adicional de segurança, que "se cair a água amortece". Sei que na realidade não é assim, mas o sentimento aparece. Aliás, mesmo eu não tendo medo do teleférico, esse pensamento de "e se cair?" ficou na minha cabeça durante todo o trajeto.

Dentro do bondinho você não escuta barulhos, a viagem é silenciosa. O silêncio é perfeito para você apreciar a paisagem e não se distrair ou ficar de paranóia com acidentes. Ele só faz barulho quando passa pelas torres de sustentação, são várias pelo caminho.

O bondinho não balançou, permaneceu firme todo o trajeto. Naquela hora não ventava, pode ser que com ventos isso mude.

Há um aviso dizendo que o bondinho pode parar no meio do caminho. Isso acontece quando há pessoas idosas ou deficientes, que necessitam de mais tempo para poder embarcar e desembarcar. Há inclusive um bondinho especial para cadeirantes.

Ele parou uma vez durante a nossa subida. Não é uma parada súbita, ele freia antes, então não chega a assustar ou balançar. Ao voltar a andar, a mesma coisa: começa bem devagar e vai acelerando, suavemente.

Não sei se nós é que somos sortudos ou é sempre assim, mas o bondinho parou uma vez em cada um dos quatros trechos que fizemos neste dia: dois de ida, dois de volta. A parada mais rápida durou cerca de 15 segundos e a mais demorada passou de 1 minuto. O lado bom é que temos mais tempo para curtir a paisagem. O lado ruim é que quem tem medo, vai se desesperar :)

Quanto mais o bondinho sobe, melhor fica a vista. A Barra Sul vai ficando pequena e você vê bem o rio à esquerda, e toda a orla da praia com seus prédio enormes à direita. É lindo!

Foto: http://www.unipraias.com.br/estacao-barra-sul.phpFoto: http://www.unipraias.com.br/estacao-barra-sul.php

Eu não marquei o tempo que leva a subida, mas acho que deu uns 5 minutos.

Veja mais fotos no site da Estação Barra Sul

Topo do morro: Estação Mata Atlântica

O desembarque é igual ao embarque. O bondinho desacelera, mas não chega a parar. A porta abre automaticamente e você deve sair, com cuidado para não tropeçar. Há um funcionário da estação que auxiliará caso seja necessário.

Aqui foi um quarto do trajeto. Depois iremos descer o morro até Laranjeiras para almoçar, e no fim de tarde será a volta. Mas agora que estamos no topo do morro, é hora de aproveitar as várias atrações!

Começamos com a caminhada. As trilhas são passarelas construídas em meio à mata nativa, e foram muito bem feitas: amplas, chão de pedras, com placas de sinalização e informação, iluminação e lixeiras. Tudo integrado à natureza, com intervenção mínima.

Pelas trilhas chegamos até os dois mirantes. Um que mostra a praia central de Balneário Camboriú, que é a mesma vista que tivemos durante a subida do teleférico, porém mais ampla. O outro mirante mostra o outro lado: a belíssima praia de Laranjeiras. Vale a pena ir até estes mirantes, tirar lindas fotos e contemplar a paisagem.

Vista da Praia de LaranjeirasVista da Praia de Laranjeiras

Pelas trilhas também conhecemos outras atrações menores: Casa do Chocolate, que estava com o Coelhinho da Páscoa, e o Oratório, que tem uma estátua de bronze e uma máquina com velas "eletrônicas" que acendem se você colocar uma moedinha.

Passeando pelas trilhas, ouvíamos os gritos das pessoas que desciam com os carrinhos, ou melhor, trenós de montanha, outra atração popular do parque. É uma espécie de montanha-russa que colocaram no meio da mata. Novamente, com intervenções mínimas na natureza, tudo muito bem feito.

Certos trechos da pista do trenó passam rente às trilhas de caminhada, então íamos acompanhando os carrinhos passando. Aí não tem jeito, bate a vontade de brincar no trenó também. Quando saímos da trilha, fomos direto à bilheteria comprar os ingressos para o trenó.

Trenó de montanha — Foto: http://www.unipraias.com.br/estacao-mata-atlantica.phpTrenó de montanha — Foto: http://www.unipraias.com.br/estacao-mata-atlantica.php

Cabem duas pessoas em cada trenó, mas se quiser você pode descer sozinho também. O preço era R$15 solo e R$25 em dupla, aceitam cartão de crédito. Compramos o nosso ingresso duplo e fomos empolgados até a área de saída dos trenós. Mas ali, tivemos uma decepção: uma fila grande :(

Devia haver umas 30 pessoas esperando, e a previsão de espera era de 40 minutos. Já era meio-dia e queríamos almoçar logo, então decidimos cancelar a brincadeira. Voltei à bilheteria e devolveram o dinheiro na hora, sem questionar. Parabéns ao pessoal do parque pela consideração!

O arvorismo deve ser interessante, mas este ficou para uma próxima vez, quando tivermos mais tempo. O preço era R$20 por pessoa.

Consulte os preços atualizados no site oficial

Além destas atrações, também tem barraquinhas vendendo lanches, água de coco, salgadinhos e lembrancinhas. E se precisar, na estação tem banheiros.

É muito legal esse parque que inventaram no topo do morro. Vale a pena separar uma, duas horas para curtir suas atrações. E novamente tive aquela impressão de "primeiro mundo", pois tudo estava impecavelmente limpo, organizado e bem cuidado. Dá orgulho de ver algo assim.

Os R$30 do bondinho, que achei caro num primeiro momento, ficou um bom preço quando percebi toda a infraestrutura do parque. Parabéns aos empreendedores!

Veja mais fotos no site da Estação Mata Atlântica

Veja mais fotos no site da Estação Laranjeiras

Ah, somente quando cheguei em casa e fui ver no Google as fotos aéreas deste morro, percebi como fizeram um trabalho exemplar na construção deste parque. Mesmo com todas a atrações (estação do teleférico, trilhas, mirantes, pista de trenó, arvorismo), a mata continua fechada:

Veja este mapa no Google Maps

Descendo o morro

O topo do morro é a melhor parte do passeio, mas para completar o trajeto, ainda precisamos entrar no bondinho novamente para descer até o outro lado, na praia de Laranjeiras.

Voltamos à estação e fomos direto à área de embarque. Agora já conhecíamos o procedimento, então foi bem tranquilo: espera o bondinho chegar, entra nele com calma, a porta fecha automaticamente, vamos lá!

A descida é uma emoção diferente da subida. A saída da estação lembrou o trecho inicial de uma montanha-russa, quando você está indo normalmente e de repente se abre um precipício em sua frente. Mas como a velocidade do bondinho é baixa, não chega a ser um susto.

Mais adiante, a altura do bondinho em relação ao solo aumenta bastante. Aquele pensamento besta do "e se cair?" fica mais intenso. Ainda mais que o teleférico parou mais uma vez, no meio do caminho. É um passeio com emoção :)

A vista da praia de Laranjeiras é incrível. Tivemos a sorte de pegar um dia de sol forte, o mar estava com águas claras, havia vários barcos perto do pier, inclusive o Barco Pirata.

Ponto final: Estação Laranjeiras

O desembarque é igual ao anterior: o bondinho freia mas não para, e você sai normalmente.

Nem olhamos direito esta estação, saímos direto e já demos de cara com o centro comercial, com lojinhas de artesanato, lembrancinhas e artigos de praia.

Para comer, há bares e restaurantes à beira mar. Para quem quer pagar pouco, vi dois buffets: um perto da estação, no início do centro comercial, e outro à beira-mar, no lado esquerdo da praia. Os outros restaurantes são a la carte, com preços mais caros, porém com o cardápio especializado em frutos do mar.

Se quiser curtir uma praia, pode alugar cadeiras, guarda-sol, caiaque, etc.

Nós almoçamos e ficamos um tempo por lá batendo papo e curtindo a praia.

A volta

Voltamos à Estação Laranjeiras, para pegar o nosso bondinho de volta. Basta apresentar o bilhete, comprado lá no início do dia, para passar pela catraca. Se você perder o bilhete, vai ter que pagar os R$30 de novo para poder voltar, então cuida!

O mesmo processo mais uma vez, de embarcar no bondinho. Agora já estávamos acostumados.

O trajeto era o mesmo da ida, claro. Ao chegar no topo do morro, não saímos do bondinho desta vez, preferimos tocar direto até o final.

O início da descida deu novamente aquela sensação de montanha-russa, mas desta vez mais intensa porque a descida é mais íngreme.

Aproveitamos mais uma vez a linda vista da orla e do rio, já nos despedindo de Balneário Camboriú, pois chegando em terra, de volta à estação Barra Sul, já pegamos o carro e viajamos de volta para casa.

Mais informações

No site oficial do parque, além das informações, há várias fotos e vídeos para você conhecer mais sobre as atrações.

Gostou desse texto? Aqui tem mais.

#compartilhe: Twitter, Facebook, Google+

comments powered by Disqus