Cápsula do tempo: o Aurelio de 2004

No texto anterior contei que fiquei 10 anos sem tocar no código do meu programa sedsed. Quando voltei a mexer nele, foi como abrir uma cápsula do tempo.

Ali ficaram “congelados” por uma década o código Python e os comentários em inglês. É um retrato do Aurelio de 2004, um registro do nível dos meus conhecimentos na época.

Ao abrir esta cápsula e dar uma espiada no passado, foi engraçado perceber que:

  • Meu código era mais confuso.
  • Meu inglês era mais tosco.

Que bom, né? Se o do passado era pior, é sinal que houve uma evolução.

Quero deixar registrado neste texto alguns dos achados dessa garimpagem.

O inglês

Ao ler os comentários do código, relembrei de alguns erros bobos de inglês que eu sempre cometia. Era passar o corretor ortográfico e lá estavam eles, sempre os mesmos! Se duvidar, alguns eu ainda faço até hoje :)

  • developper (o correto é developer): Eu colocava um “p” a mais, achando que entrava naquela regra de duplicar a consoante quando a palavra termina em consoante-vogal-consoante.

  • begining (o correto é beginning): Aqui eu omitia um “n”, pois assim me parecia ser mais correto. Mas sabe que até hoje acho feio o “nn” nessa palavra.

  • sucessfully, sucessfuly, successfuly (o correto é successfully): Essa palavra dificilmente eu acertava, sempre faltava alguma consoante duplicada. E não é que tem que duplicar tudo mesmo?

  • splitted, cutted, readed (o correto é split, cut, read): Estas palavras são iguais no presente e no passado. Nem sei qual é a regra, simplesmente me acostumei com a exceção.

  • it's e its: Naquela época eu ainda confundia quando usar um e outro.

Um colaborador gringo fez a correção destes e de outros erros ortográficos que ele encontrou nos comentários do sedsed. Aqui está o diff, listando de uma vez todos os meus erros de 2004.

Fora estes erros simples, em geral os textos dos comentários soam meio Borat. Eles não parecem textos nativos, mas sim uma tradução mais literal das frases em português.

Tea with me, I book your face ;)

O código

Na programação, antigamente eu gostava de fazer códigos compactos, com poucos comentários. Ser legível não era uma de minhas prioridades. Só aprendi depois de alguns anos, da pior maneira: não conseguia mais entender meus próprios códigos!

E olha que nem eram em Perl :P

Hoje valorizo muito um código legível, que seja fácil de entender e de encontrar o que precisa. Esta é uma “arte” que se aprende com o tempo e com a experiência, mas tem algumas regras simples de seguir que tornam o código bem mais amigável:

  • nomes descritivos para variáveis e funções
  • somente um comando por linha
  • alinhamento (indent) impecável
  • linhas em branco para separar os blocos lógicos
  • comentários explicando "o que faz" e "porque faz"

Para ilustrar, um exemplo rápido tirado já do início do código da versão 1.0 de 2004, na função read_file():

# Aurelio 2004
try: f = open(file); data = f.readlines() ; f.close()
except: Error("Cannot read file: %s"%file)

Credo, que massaroca! Tudo grudado, misturado. Fica difícil enxergar a estrutura e também fica difícil de identificar os comandos. Seguindo a regra de deixar somente um comando por linha e fazer um bom alinhamento, o mesmo código fica assim:

# Aurelio 2014
try:
    f = open(file)
    data = f.readlines()
    f.close()
except:
    Error("Cannot read file: %s" % file)

Fora esta questão de legibilidade, a própria estrutura do programa é algo que hoje eu faria diferente. As classes teriam métodos diferentes, menores, dividindo a funcionalidade em vários pequenos blocos. Assim fica mais fácil de entender e testar cada pedaço. Também o faria funcionar primeiro como módulo Python, depois como programa de linha de comando, para ser melhor testável e integrável.

E você, tem perdido por aí algum programa ou texto que não vê há muitos anos? Recomendo fazer sua própria experiência de cápsula do tempo, é divertido!

— EOF —

Gostou desse texto? Aqui tem mais.

comments powered by Disqus