10anos: Vim

Comemoração de 10 anos do meu site AURELIO.NET
Parte 2

  1. 10 anos de sáite
  2. 10anos: Vim
  3. 10anos: Sed
  4. 10anos: Expressões Regulares

————— ∞ —————

Quando comecei a trabalhar na Conectiva, em 1997, também comecei a (tentar) utilizar diariamente um editor de textos estranho, todo preto, sem menus nem botões, que mais apitava do que escrevia.

— Bip. Bip. Bip.
— Eu digito e nada parece!
— Bip. Bip. Bip.
— Será que meu teclado estragou?
— Bip. Bip. Bip.
— Maldito editor dos infernos que não faz nada e ainda trava!
— Bip. Bip. Bip.
— Como é que eu saio? Esc? Ctrl-Q? Ctrl-C?
— Bip. Bip. Bip.
— M**** de programa (dedo no botão liga/desliga do computador)

E assim foi a minha primeira experiência com o Vim. Experiência não, frustração. “Que droga de editor”, pensei. Como todos ali em volta podiam usar esse treco que não faz nada e ainda trava o computador?

A primeira de muitas frustrações.

vim

O editor Vim, pronto para apitar

O Vim é um editor casca-grossa. Ele não te ajuda, não é intuitivo, não é bonito, não dá nenhuma mensagem esclarecedora. Ele só apita.

  • Cada apito é um erro que você cometeu.
  • Cada apito é um atestado da sua ignorância.
  • Cada apito prova que você é tão incompetente que não sabe nem usar um editor de textos tosco.
  • Cada apito é um aviso a todos da sala que você está apanhando feio.
  • Cada apito faz todos ao redor rirem por dentro. Os mais cruéis gargalham.
  • Cada apito mostra quem realmente está no controle: o Vim.

Depois de várias (inúmeras, diversas, constantes) aulas de humildade que este maravilhoso editor me proporcionou, aos poucos ele começou a diminuir o número de apitos. Eu fui pegando o jeito dos comandos mais básicos. Minha tática foi me policiar a sempre pensar antes de digitar qualquer tecla, com um objetivo fixo na cabeça: “maldito, você não vai apitar mais”. Com rigorosa disciplina e concentração, eu já conseguia passar um ou dois minutos sem ouvir nenhum apito. Quem está comando agora, hein Vim manézão?

— Bip.
— Droga.

Acabou virando questão de honra dar uma lição naquele editor petulante. Quem ele pensa que é para ficar apitando na cara dos outros assim, indiscriminadamente? Basta! E assim prometi para mim mesmo que um dia eu iria dominar aquele mala.

————— ∞ —————

Meses depois, ele já não apitava mais (santo :set visualbell hehe).
Apertar o Esc a toda hora tornou-se natural.
O :wq parecia que eu já conhecia desde criancinha.
E aquele tal .vimrc passou de alienígena a camarada.

O caminho não foi fácil, a curva de aprendizado do Vim (curva?) é extrema. Você apanha, apanha, apanha, apanha, apanha e de repente um dia acorda iluminado e tudo faz sentido. De inimigo o editor torna-se seu companheiro inseparável para todas as horas.

Escrever programas, editar arquivos de configuração, relatórios, emails, o mundo é bem melhor com uma tela preta.

$ export EDITOR=/bin/vi
$ set -o vi
$

É, o Vim é o melhor editor de textos de todos os tempos! \o/

Mas apenas usar o Vim e deliciar-se sozinho com suas mágicas poderosas era muito egoísmo. O MUNDO precisava conhecer este editor maravilhoso! Que ganho em produtividade as empresas teriam se todos os funcionários usassem o Vim! yyp é muito mais rápido que Ctrl-C Ctrl-V! E os mapeamentos, e as abreviações, e as marcas, e os…

E assim nasceu uma área dedicada ao Vim dentro da minha recente “página” de internet, em 1999.

Lá eu guardava os links para artigos legais que eu encontrava, e também escrevi minhas próprias dicas e posteriormente artigos mais elaborados, que foram publicados na Revista do Linux e na Linux Magazine. Em 1999 mesmo também criei a lista vi-br no antigo eGroups (atual Yahoo! Groups) que até hoje reúne os aficionados pelo editor.

————— ∞ —————

Para comemorar os 10 anos do meu site, quero dar um presente especial para aqueles que o acompanham desde o início e que até hoje ajudam em sua divulgação: os nerds.

Dessa vez, nada de MiGuXeiToR, AdSense, carveboard, viagens ou música. Quem vai ganhar uma reforma geral são as áreas nerds do site, que confesso, estão há algum tempo esquecidas por este que vos escreve. Isso já mudou.

Já investi mais de 30 horas na reforma das áreas nerds do site, e outras tantas ainda serão nos próximos dias. É um trabalho em andamento que espero melhorar com o retorno de vocês.

O foco da reforma é somente um: conteúdo. Afinal, isso é o que interessa, não é mesmo?

Pensei sobre os artigos do site, sobre como eu poderia melhorar a experiência do usuário no sentido de ele aproveitar melhor os textos, realmente aprender e ficar sedento por mais conhecimento. E uma vez sedento, oferecer mais links e artigos para que ele continue lendo até saciar-se. Tipo a Wikipedia, onde um artigo puxa o outro.

Para mim ficou claro que o formato atual do site apesar de ser completo no sentido de o megamenu conter todos os links possíveis para todas as áreas do site, isso atrapalha aquele que quer simplesmente ler mais sobre o assunto atual. Então eu precisava de um menu mais especialista, que listasse apenas os artigos do assunto em questão. Por exemplo, não faz sentido listar o MiGuXeiToR na área de Vim.

Mas as ideias que fiquei maturando na cabeça durante semanas só fizeram sentido após ler o artigo In Defense of Readers do A List Apart, que em resumo, diz para não distrair o leitor com supérfluos. Era a peça que faltava.

A chave era valorizar o prazer de ler acima de qualquer outra coisa: navegação, caixa de pesquisa, breadcrumb, nome do site, e até anúncios (vou deixar de ganhar $$$, mas é por uma boa causa).

Se o cara chegou no artigo sobre como selecionar texto no Vim, é isso que ele quer saber e pronto! Qualquer coisa fora o conteúdo do artigo só vai desviar a atenção e atrapalhar a leitura. Tipo a experiência de ler um bom livro, que lá na página 15 não tem nenhum sumário, índice, propaganda ou dados sobre o autor. É o texto e pronto. É o que o leitor quer.

Lá fui eu tentar aplicar isso no site. De volta ao básico, tirei tudo. Só sobrou o conteúdo.

tema-livro

O tamanho do texto, espaçamento e fonte “quase-serifa” tentam lembrar a experiência do livro impresso. Margens generosas de ambos os lados dão espaço para o texto brilhar sozinho, sem competição nenhuma com menus ou anúncios.

Ao chegar ao final do texto, é hora do leitor decidir o que fazer:

  • Se quiser continuar lendo mais sobre o assunto em questão, há um link bem grande “Aprenda mais sobre Vim”.
  • Se quiser pesquisar outro assunto dentro do site, tem uma caixa de pesquisa pronta para usar.
  • Se quiser descobrir algo novo, ver fotos ou brincar com o MiGuXeiToR, tem um menu enorme com vários links ansiosos para serem clicados.
  • Por fim, vem o rodapé padrão com informações sobre o site e sobre o autor.

A área sobre o Vim está estreando a novidade, sendo a primeira a mudar para o formato novo. Experimente, depois volte aqui contar o que achou:

vim-antes

Era assim…

vim-depois

Ficou assim

Tem uma diferença, não? :)

Leia todos os artigos:

Veja o índice com links para outros artigos e informações:

— EOF —

Gostou desse texto? Aqui tem mais.

comments powered by Disqus