Garota Nota 10

Lembram que a Mog estava fazendo a monografia de graduação do seu curso de Ciências Sociais na UFPR?

grep -r --color monografia http://aurelio.net/blog/*

http://aurelio.net/blog/2008/03/03/comecando-2008/

Eu estaria lá no cativeiro até hoje, se a seqüestradora não tivesse uma monografia para fazer. Pois é estimados leitores, quase que não consigo mais voltar a este maravilhoso mundo virtual. Ufa, essa foi por pouco ;)

http://aurelio.net/blog/2008/04/22/a-mog-foi-no-fisl/

Todos sabem que o Aurélio adora viajar, mas dessa vez tudo conspirava para a não-saída do ermitão Aurélio da sua querida caverninha em Matinhos: viagem longa e cansativa até Porto Alegre; o fechamento do livro foi um período estressante; o livro tomou muito tempo, e com isso os vários projetos do Aurélio ficaram de lado e precisavam ser retomados; e eu teoricamente não poderia viajar junto, pois preciso me formar e terminar minha monografia até julho.

http://aurelio.net/blog/2008/05/10/uma-coisa-leva-a-outra/#comment-43934

A Mog está trancafiada no quarto o dia todo fazendo monografia. Felizmente, isso só acontece uma vez na vida :)

Pois é, os meses passaram…

Julho chegou e essa tortura finalmente terminou. Sexta-feira passada foi o fatídico e tão esperado/temido dia da defesa da monografia da Mog perante à implacável banca de professores.

Eu estava lá (meninos, eu vi!), e é com muito orgulho que eu quero contar para vocês como terminou essa história: NOTA 10!

Foi uma festa, muitos aplausos e sorrisos generosos invadiram a sala fria e antiquada do nono andar da Reitoria. A Mog era só alegria, coisa linda de se ver.

Fiquei muito feliz com esse reconhecimento, ela merece cada décimo dessa nota, pois não foi fácil fazer essa monografia. Acompanhei de perto, foram meses de muita leitura, estudo, escrita, entrevistas, análises e incontáveis horas em frente ao computador.

Para atrapalhar, houveram problemas no Word (que novidade…), problemas no gravador das entrevistas, cirurgia complicada no pescoço, mudança de casa e mudança de cidade. Eu também tentei atrapalhar, tirando ela da frente do computador para ir ao FISL em Porto Alegre, comer sanduíche do Subway em Joinville e participar do animado bingo em Matinhos.

Mas mesmo assim ela tirou 10 :)

A monografia ficou enorme, um tarugão de 80 páginas: AS ALEMOA E AS BRASILEIRAS: com quem eu devo me casar? – Morgana Laemmle.

Gostei de ler, ela conta a história dos imigrantes alemães em Joinville e seus descendentes, pesquisando sobre o fato de, até hoje, as mães sempre quererem que seus filhos não se misturem com as “brasileiras” e só casem com mulheres “de origem” (também descendentes de alemães).

“É… Aqui era assim: alemão só casava com alemão, e caboclo com caboclo”
— Dona Verônica, 77 anos

A parte teórica da monografia fala sobre coisas que eu não manjo, como relações de gênero, história oral e memória feminina. Mais no final estão as entrevistas com as mulheres de Joinville. Mas a melhor parte mesmo é a dedicatória super especial e emocionante que eu ganhei:

“Por fim, agradeço especialmente ao meu namorado e amor da vida, Aurélio, por ter me feito conhecer e acreditar no amor. Sem você e sua família, eu não teria conseguido terminar esta monografia e minha graduação, após tantos obstáculos da vida. Amo você, te admiro e te respeito, e lutarei diariamente por nós. Obrigada pela casa, pela internet, pela comida, e pelos comentários e críticas construtivas a este trabalho. Mas, sobretudo, obrigada por toda dedicação, apoio e carinho, nos bons e maus momentos. Nunca se esqueça: É tu.”

Diz se não é pra ficar todo bobo com uma declaração de amor dessas? :)

Isso tudo me faz lembrar que fiz quase um ano desse mesmo curso de Ciências Sociais na UFPR, mas lá por 2000 (vixe, como o tempo passa). Desisti porque não tinha mais saco para assistir aula na universidade, mas fiz uma pesquisa legal (e nerd) nesse período: Fanatismo Digital – A Guerra dos Editores, sobre a eterna briga entre os editores de texto VI e Emacs.

Isso me faz lembrar também que minha “monografia” do curso de Processamento de Dados (em 1999) foi meio, digamos, tosca. Fiz um sisteminha web básico usando LAMP (ou quase, o banco era PostgreSQL), apresentei e me formei. Foi bem fraco e sem-graça, nem lembro que nota tirei… Mas me formei, tá! :)

Mas agora eu queria falar de outra coisa.

Agora que a Mog é uma moça formada de 22 anos, o próximo passo é a conquista de seu primeiro emprego. Mas só dão emprego para quem já tem experiência de trabalho. Estamos num loop infinito. Eu gostaria de usar este blog para fazer um pedido especial a você, leitor/leitora: ajuda nóis?

A Mog sabe que é muito difícil encontrar uma vaga em sua área (Sociologia), então está topando encarar qualquer desafio para começar a sua vida profissional.

Se você souber de alguma vaga em sua empresa, ou na empresa de algum amigo ou parente, que estejam buscando alguém inteligente, competente e responsável, e com muita vontade de trabalhar, me avise!

As referências são o currículo da Mog e eu mesmo, que sei o quão empenhada essa moça é. E digo mais: tiro esse blog do ar se quem contratá-la não ficar satisfeito :)

Ah, e como eu não quero que minha florzinha vá para um jardim muito longe daqui, eu agradeço se a vaga for em Curitiba, Joinville ou perto disso :)

— EOF —

Gostou desse texto? Aqui tem mais.

comments powered by Disqus